sábado, 5 de abril de 2008

Sou

Deixo o corpo à sombra da flor mais alta
Ao redor de uma lâmpada
Apagada. Acendo a morte.
Sou um fio a prumo, uma nuvem
Que passa
Uma casa aberta e fechada

Daniel Faria

1 comentário:

Rita disse...

Achas que és só isso?! Nunca te esqueças daquilo que és, e se um dia te esqueceres eu lembro-te, porque tudo o resto é poesia! bjinhx***